quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

O sino





   Meu presente pra ela: Um Sino. Sim, um sino. Pode parecer estranho, mas é o que mais sentido fez pra mim. .
   Pensei em dar uma flor. Ela poderia colocar a flor no cabelo, se olhar no espelho e iluminar a rua com a energia irradiante da sua alegria. Talvez, colocasse a flor ao lado da TV, assim não se perderia com tantas bobagens dos programas, a flor prenderia sua atenção; poderia ver e conversar com o elemental da flor, passaria horas escutando relatos do mundo mágico e teria na flor uma amiga a quem contaria todos os segredos. A flor também ficaria bem na cozinha, todos os alimentos seriam de uma grande graciosidade; com aroma especial, fariam leve o corpo de quem deles provasse. Quem sabe colocaria a flor no quarto para ter sonhos floridos, sonhar com campos imensos e leves, com pétalas dançando com o vento um tango de primeira qualidade, montanhas e lagos cristalinos; encontraria fadas indicando o lago especial, nele mergulharia sem se afogar, pois não seria preciso respirar; lá no fundo encontraria uma princesa sereia, de quem se tornaria irmã. A varada de seu lar receberia a flor com muito agrado, a mais nova flor a enfeitar a frente da casa, a encantar os gatos brincando no jardim e as crianças divertidas na rua.
   Mas flor é um presente tão comum, e uma flor causaria confusão. A beleza das duas poderia me confundir, não saberia quem é quem, e eu poderia ficar apaixonado pela flor. Seria estranho, um homem apaixonado por uma flor; a moça ficaria triste e passaria a odiar todas as flores, o mundo ficaria menos encantado. A flor poderia se tornar a atenção da casa, como um bebê recém-nascido, a moça seria a irmãzinha ciumenta, uma pequena desarmonia desnecessária. Flores morrem logo, a moça ficaria muito triste em perder seu presente maravilhoso. Pior seria se encantar tanto com a flor e se esquecer de mim, seria trágico.
   Pensei em dar bombons. Ela comeria imaginando a doçura de nossos beijos, a doçura de um passeio em um museu, a doçura de brincadeiras infantis e tantas outras doçuras. Dividiria os bombons com as amigas e conversariam coisas de mulheres, uma conversa animada. Imaginaria viver em uma casa de chocolate, em um vale místico, com seus filhos aprendendo a viver em comunhão com a natureza. Doce mesmo seria viver em uma praia no nordeste, com o doce forte sol o ano todo.
   Mas uma moça tão doce recebendo mais doce criaria um desequilíbrio, o mundo ficaria mais amargo; seria injusto tornar o mundo mais amargo para favorecer uma moça. E se a moça tivesse uma disfunção estomacal? Seria engraçado contar a história mais tarde em uma roda de amigos, mas seria arriscado. O pior de tudo, eu amo chocolate, eu comeria mais do que ela, não seria nada gentil.
   Pensei em dar um poema. Um punhado de versos sinceros poderia falar diretamente em sua alma e poderia entender que o sentimento é sincero. Moças gostam de poemas. Acharia lindas as palavras bonitas, as comparações e declarações e me acharia um gênio. Mostraria a toda a família o quanto ela é minha musa inspiradora. Colaria na porta do armário, na parede do quarto ou no fichário.
   Mas e se ela não gostasse do poema? Se reparasse nos erros de português e na falta de talento? Poderia entender errado alguma tentativa de um verso mais elaborado, poderia entender o poema como um “Adeus”, seria desastroso.
   Por isso o sino. Todo sino é um pouco religioso e faria o nosso amor sagrado. Alguns orientais usam o sino como forma de comunicação com Deus, como se fosse o telefone, de um lado a alma, do outro, o infinito. O sino pode fazer o místico mudar o estado consciência. No ocidente o sino é o lembrete, faz o homem lembrar que Deus existe – para aqueles que acreditam -. Coisa linda é sino de igreja tocando em cidade pequena, toda aquela gente chegando para missa, tantas senhoras cantando, um som que também encontra a alma. Uma cena magnífica.
   Ela guardaria o sino na mesa do computador, tocaria sempre que sentisse saudade, tocaria antes de sair pra me encontrar e antes de dormir, para sonhar comigo. Tocaria o sino no dia do nosso casamento, levaria o sino na nossa lua de mel, na Grécia. Seria o som do sino a avisar nossos filhos do almoço na mesa. O som que também alertaria nossos netos. O sino se perderia nas futuras gerações, e um de nós, novamente encarnado, acharia o sino em um velho baú de família, ouviria sua história, tocaria e se encantaria. O som tocaria na alma velhas lembranças, mesmo que o intelecto na soubesse.
   O nosso amor poderia não dar certo, mas ela guardaria o sino. No início iria chorar, mas como tudo passa, iria esquecer, e o sino acabaria em um baú. Certo dia, quando estivesse mudando de casa, sua filha acharia o sino e mostraria a ela, a moça tocaria e lembraria de mim, com carinho, e guardaria novamente. Seria o selo da nossa eterna amizade.
   De qualquer forma, o sino acabaria dentro de um baú, nas histórias, os baús são cheios de tesouros, e o nosso maior tesouro é a nossa alma, e a nossa alma é eterna. O sino nos ligaria eternamente. Pare sempre, almas companheiras.

32 comentários:

Marianna disse...

demais de lindo!

Branca disse...

Branca diz (00:53):
*seu texto é uma prosa poética
*assim eu o classifico
Branca diz (00:54):
*pois ele é todo poesia


bjooo

Êxtase Crônico disse...

Q bonito! ^^

Daniel A. S. disse...

Gostei muito, belo texto. Parabéns!

http://daniel.a.s.zip.net

Tami disse...

Puxaa, muito bom Rui.
vc me indicou um texto, mas não encontrei...
Todos os textos do seu blog, muitoooooo lindo !
você que postou no meu blog sobre luz, rs percebi que realmente é um entendedor desse assunto.
Paixonei pelo blog.
beijo

kbritovb disse...

axei q tava dando o sino por ela ser uma vaca
aaahahah brincadeira mto legal o texto parabéns

A-nanda disse...

Presentes sempre tão confusos de se escolher, penso como vc em relação as flores elas morrem mas antes de morrerem geram uma grande confusão.
O Sino seria o dito presente perfeito sempre q tocasse lembraria da historia, muito lindo esse texto.
Achei o blog num a comu(nidade) do orkut nem lembro se vim so comentar ou seguir mas de qualquer modo farei os dois
continue postando textos assim, faz a alegria de quem ler^^

henrique menna disse...

muito bom o teu blog, ele é show de bola, quando de da uma olhada no meu blog ta http://henrique199.blogspot.com/

Guilherme Bayara disse...

QUE LINDO!

Os outros presentes não chegam nem perto do sino.
É muito lindo o texto!
O sino trará sempre belas lembranças e se tornará com certeza um tesouro!

Carlos disse...

Que texto lindo, gostei d+ Rui.
Quem sabe um dia o meu vire uma música não é?rsrsrrss

abraço!

Gabrielle disse...

Que lindo seu texto. Nunca pensei num sino como tudo isso, mas achei um nobre pensamento, só um poeta poderia pensar assim, ganhou meu respeito e admiração total. Muito bem elaborado, gostei de verdade, li minunciosamente e me apaixonei, e sim também espero ganhar um sino um dia :D beijos

http://dosedetequila.blogspot.com/

intransitado disse...

O sentido do ''in'' vai de cada um, no meu seria o ''in'' de ingles que pode significar ''dentro'' é mt simples.. um dia ela era inalteravel, incansavel.. outrora ela hoje pediu separação ao ''in'' hoje ela é alteravel, esta cansada..ela virou pó e o vento espalhou ela em arredores nunca vistos antes, ela não se encontra.. esta nessa busca. entendeu agora? kkkkkkkkkk

Drê disse...

Seus textos são de mais

juliafraguas disse...

adorável teu texto..
esse final de semana me renovei mesmo como tu comentou no meu blog, foi ótimo!
queria receber um sino de alguém, sei la!
haha vou te seguir ok, me segue também pra gente manter contato..
beijos

ALIMAC disse...

nossa, realmente mto bonito *-*

www.teoria-do-playmobil.blogspot.com

A-nanda disse...

oieee!!
ohh cá nós denovo!
bem indiquei o blog a um selo
é meio frescurento, mas enfim como dizem o que vale é a intenção!!
enfim se gostar passa la e pega
bejim

Jel S. disse...

Então, tenho uma coisa pra te contar... recebi lá no meu blog [planetabandonado] um selo. Sabe como é,né? Um blogueiro te indica e você indica outros. Plágio da corrente do bem. Como me ensinaram a ser educada, resolvi entrar na brincadeira e indiquei o seu blog,ok?
se quiser, dá uma olhada: http://planetabandonado.blogspot.com/2010/02/social-ii.html
beijo =*

Marcela Reinhardt disse...

ai que legal!
Nossa, comecei a ler sem muitas expectativas e me surpreendi!
GOstei muito do texto... em resumo...
Lindo de mais!

www.marcelareinhardt.blogspot.com

TeXuco disse...

é lindo!
As..as flores realmente são belas, mas morrem cedo =/
Quando li o título logo imaginei aquela frase : "Quando se encontra o verdadeiro amor os sinos tocam"
*-*
hiihih

Beijos

Karla Hack disse...

Sem exageros...
Belíssimo!
Uma análise em pura poesia
Adorei!
;D

Junim disse...

No caso da minha namorada eu colocaria o sino no pescoço dela!
Aquela vaca!!!
agora falando sério, bem legal seu texto. poético e singelo!



http://meucaonaochupamanga.blogspot.com

@maylcaps disse...

Seu texto é lindo,mt mesmo.

André Poerschke Vieira disse...

um sino. um simples sino desperta todo um apanhado de vivências. Cara, sensacional, muito bom mesmo. Aquele momento da mudança, da lembrança, muito bom.

http://umdiaentenderei.blogspot.com/

Hysteria Project disse...

cara, sensacional mesmo^^

mas eu ainda preferia dar uma flor XD

Victor Pagani disse...

Muito bom! Ah, meu tio já ganhou um sino da filha dele pra chamar minha tia haha

[]'s

Olha Isso disse...

Achei estranho começo dar um cino de presente hehe, mais depois tudo se explica bacana hem

Gabi disse...

na boa ? meio triste dar um presente pár lembrar quando terminar =( eu não faria isso e de hoje em diante se ganhar um sino é capaz que eu chore hehehe bonito seu testo

Claudia Halley disse...

Que lindo seu texto! fiquei encantada!

Canto do Lufa disse...

O sino só passou a fazer sentido com a sua tese que é linda.

Só lendo o começo a impressão é de loucura mas lendo a seus argumentos, onde todos os simbolismos são lindos fez o sino ganhar um valor. Além de ser um presente inesquecível e durável, diferent da flor.

Mister Neurotic disse...

Gostei da espiritualidade presente no texto. Na afirmação de que a alma é eterna e de que reencarnamos.

diano disse...

um sino é um presente bem diferente

Juliana Lira disse...

Que lindo Rui!

Encantou. Agora vou querer sempre ganhar um sino. Vai ser estranhoquando me perguntarem:

Quer ganhar o que de presente?
E eu disser:
-Me dá um sino.

Vao pensar que eu pirei e to achando que sou uma vaca kkkkkkkkk

Mas nao. Será por causa dessas tuas palavras tao lindas, como linda é essa tua alma.
Porque coisas assim só podem sair de dentro de quem tem muita coisa boa guardada.

Adorei!

Milhoes de beijos