quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

A chuva e o encontro da felicidade

    Era um dia típico de verão no Rio de Janeiro; sol forte e anúncio de tempestade. É interessante como duas maravilhas do tempo ficam lado a lado; de um lado o sol queimando com força, do outro, nuvens negras, trovões e a tão maravilhosa chuva chegando, junto com a ela a promessa de alma lavada.
   Karla estava sentada na areia, olhando o horizonte, olhando o mar. Em suas viagens fez uma analogia entre o mar e a alma. Podemos pegar um barco e navegar por todos os oceanos, mares, lagos e rios, ainda assim, existira mistério no fundo de cada lugar, na beira, em volta. Ela poderia se conhecer, se analisar, se estudar, mas ainda assim, existiram coisas que não poderia conhecer sem os equipamentos certos, como se não pudesse conhecer o fundo do oceano, seus seres, encantos, magias e vida.
   Ela andava triste, nenhum motivo aparente, só um vazio que todos carregamos. Preenchemos este vazio de várias formas: Ideologias, sonhos, lutas, pensamentos, etc. Pode ser o futebol, a moda, a música, a religião, a bebida, drogas, etc. Em alguns estas coisas não são suficiente, o vazio continua; e isso é bom, nos dá o indício de que devemos procurar algo superior.
   O sol ia perdendo espaço pras nuvens, e Karla observava aquilo com brilho nos olhos. A chuva eminente dessipava a tristeza, o vento ero o encarregado de levar pra longe, a tempestade trazia consigo boas energias.
  Cairam os primeiros pingos, fortes, como que querendo fixar vibrações novas na alma de Karla. Fechou os olhos, abriu os braços, sentiu o vento, sentiu-se no céu; talvez estivesse, o mundo é algo surpreendente.            Correu até a sua bicicleta, colocou o fone e pedalou. Pedalava pela rua como uma criança feliz, ouvia uma música linda, uma letra linda, uma melodia linda; ela não sabia explicar o que acontecia, mas era algo profundo. A pessoas olham aquela louca passar, sorrido de forma estranha, cantando alto; todos se abrigaram em algum lugar coberto, mas ela queria era se molhar, nada mais importava.
   A chuva cumpriu sua promessa, a alma estava lavada. Era uma felicidade que nunca havia sentido antes. Não tinha encontrado o homem dos sonhos, não tinha ganho na loteria, não conseguiu um bom emprego, não tinha comprado ingresso pra sua banda favorita que iria tocar no Brasil pela primeira vez, não tinha passado no vestibular, apenas estava tomando banho de chuva.
  Chegou em casa em estado de êxtase. Não ligou pra bronca que levou da mãe, até concordou; não se importou com a implicância do irmão mais novo, até achou bonitinho. Deu um beijo em cada um e foi pro quarto, colocou uma música new age e deitou na cama. Pensou no momento que tinha acabado de viver, como algo tão simples a fez sentir uma alegria sem tamanho; começou a repensar o conceito de felicidade.
   Anoiteceu. Karla queria ver a lua, mas está se escondeu atrás das  nuvens, queria que Karla as visse e lembrasse da tarde maravilhosa. Mas a lua não se escondeu por muito tempo, também queria ver de frente o estado mágico que ainda restava na alma de Karla. Aquela lua linda e brilhante iluminou todo o quarto, deu mais sentido à música baixa, e fez Karla pensar. O vazio novamente se fez presente, ela sabia que nunhum dos itens acima citados a fariam feliz como esteve naquele dia, e quis descobrir como sentir aquilo novamente.
   Acordou com os pássaros cantando, o sol brilhando no chão, um vento leve e um sorriso calmo no rosto. Percebeu que a felicidade está além das coisas deste mundo, que toda alegria conseguida aqui não é maior do que a felicidade na alma. Decidiu buscar esta felicidade, não sabia aonde, mais iria encontrar um mode de tê-la de forma permanente. Começava ali a maior e mais importante busca das vidas de Karla, agora ela buscava o cosmo, buscava se fundir com o universo, busca a verdadeira paz eterna, buscava a paz interna, buscava voltar ao seio da mãe natureza.

25 comentários:

Romero Cezar disse...

sa deste blog falta só da uma caprichadinha no visual

Rui disse...

talvez o conteúdo seja mais importante do que a forma
esse é um dos males da sociedade moderna

Rodrigo Cavaleiro disse...

Há algum tempo, comentava sobre a saudade que dá o banho de chuva, re-lembrar de como criança era... feliz...

Comentava com uma dessas aparições de internet, que adicionamos sem saber exatamente como ou porque, já não sei se permanecerá o contato, mas permanecerá a vontade...

Não exatamente da chuva, mas lavar a alma... encontrar a felicidade.

Deve-me um sarau, na praia...
Devo-te um sorriso.

Quanto ao comentário; a estética de que se precisa seria: "arial, times new romam..." qualquer formato de letra que se possa entender.

O visual é superfulo ainda que atrativo... Obrigado pelo desabafo. Eu me apego ao visual também... sou a favor da simplicidade.

Inez disse...

Muito bom, você tem talento narrou o retrto de uma pessoa em paz consigo mesmo.

Jean Leal disse...

Seus textos são mt bons !
Continue assim, cara!

Philipe disse...

Cara, adorei!!!

*.*

http://sbtbr.blogspot.com/

Nova Quahog disse...

APÓS A TEMPESTADE VEM A BONANÇA

Seo Zé, disse...

Um bom momento de plenitude. Gostei, moço ^^

Abraço,
http://seo-ze.blogspot.com

Diario Astral disse...

Lindo demais. Pena aqui na Espanha ser dificil tomar banho de chuva, afinal é muiiitooo frio, mas sempre amei chuva, sol, passaros, lua, enfim, a natureza é incrivel e se todo dia observar um pouquinho dela a alma agradece.

Vou seguir o blog.

Ah, nao ta na hora de ser mae nao X)

www.diarioastral.com

Keizy Dias Barreiro disse...

Ahhh q legaal
Tomaar banho de chuvaa
Sempre muuiito bom.


E seu eu ganhar muito dinheiro
Concerteza comprarei um ingresso
pra vc ir comigo..rsrs

Bjoos

Lih...Amarante disse...

sobre meu ultimo post q vc comentou:
"realmente é algo demasiado subjetivo!
a prioridade ñ foi o entendimento,
apenas o mini-relato fictício! rs"

sobr eo teu:
eu gosto de realtos assim: envolventes, diretos, com um toque de ambientação literária.

Bjo

Vanuci Watson disse...

eh... vi seu comentário em meu blog e não me arrependi de ter passado por aqui... rs

Esse texto maravilhoso me fez pensar na minha busca pela felicidade, em como complicamos as coisas em nossa própria vida, colocando condições e pedras nos caminhos da nossa felicidade.

Música e chuva, uma combinação forte, deliciosa, capaz de mudar um destino, uma vida inteira. Este vazio que sentimos é para nos mostrar que sempre falta algo mais, é nosso impulso pela vida, senão pararíamos de comer, de amar...

Obrigado, não sou mais a mesma pessoa depois desse texto.

Evandro Carlos Camacho (Zelvis) disse...

As vezes a gente encontra a felicidade em coisas e situações que nem imaginamos ou até mesmo não damos o devido valor. A felicidade é um bem precioso de valor inestimável. A felicidade é o alimento da alma.

Visitem:
AS LOUCAS IDÉIAS DE ZELVIS
www.eccamacho.blogspot.com

melk jus disse...

em relaçao á sua resposta ao comentario, apoiado, o conteúdo é mais importante que qualquer layout, o layout pode ser comprado ou encomendado, já boas idéias são únicas e insubstituiveis,como dizemos no mundo juridico, são infungiveis!!!

mas agora comentando seu post, todos nós temos dias de Karla, momentos de Karla, onde a felicidade brota do nada e nos eche de endorfina e serotonina, um sorriso que brota do nada no meio de um õnibus lotado signfica que ou você é doido, ou a felicidade estranhamente lhe abraçou.

安楽 Shαddix Gαtes Hime disse...

Seus textos são lindos!!

Amei.. ^^

é muito bom tomar banho de chuva.. *-*

kbritovb disse...

cara sensacional isso
tambem curto pra caramba tomar chuva

Carlos Augusto Matos disse...

Interessante o que vc postou... Muito mesmo, e sabe gostei da essência do seu blog, me cultivou a entrar aqui, e vai me cultivar a entrar sempre...

Se tiver um tempo, entra no meu pois estou divulgando-o...Se gostar, me segue, por favor...

http://visaopoetica84.blogspot.com/

queila disse...

banho de chuva + jardim das acácias(zé ramalho)...combinação perfeita!!

Diana F. disse...

somos um só. Natureza-Humano. precisamos um do outro. uma parte não é parte, quando não se faz parte de um todo.

caminho da magia disse...

Querido amigo,que texto mais rico para aqueles que o comprendem,pois aqui não estamos falando de um simples banho de chuva,mais do sentimento de extase que simples momentos como este podem fazer almas despertarem para outras realidades,que mudaram para sempre nossa percepção,e termos uma ideia do extase divino....mesmo que seja muito pequena é breve....e so uma mostra do que pode vir,se procurarmos....um beijo,se cuida!

Anakel disse...

Todos os elementos do texto são apaixonantes...

amei....

muito bom...

Êxtase Crônico disse...

Impressionante como você conseguiu passar o snetimento da moça na escrita, viajei junto com ela!

Tami disse...

Acheiii !!! rs
Muito lindo o texto.Me deu vontade de ir correndso prto Rio.

Beijos com luz!

Olha Isso disse...

Banho de chuva pra limpar a alma

Thalles Fontana disse...

Nada com um "banho" de chuva.